30 de julho de 2011

Indiretas?

Olha quem está colocando a boca no trombone de novo…

Dessa vez, vim reclamar de uma coisa irritante que acontece no Twitter.

target(4)l 

Não é a primeira vez que isso acontece. Reclamam que eu mando indiretas no Twitter. Preguiça, viu?

Em primeiro lugar: as pessoas precisam entender que o único poder que a gente tem sobre o Twitter dos outros é o de seguir ou não. Não gostou? Dá unfollow. Parece tão simples pra mim...

Agora, sobre as minhas indiretas: não são indiretas. Eu, por vezes, chamo de carapuças. Se servir em você, faça bom uso. Pode ficar, veste aí e siga com a sua vida.

É que quando eu não gosto de algo que alguém me faz, eu ajo de acordo com a minha afinidade com a pessoa. Se eu gosto da pessoa, eu digo pra ela. Se eu não gosto da pessoa, eu reclamo. Reclamo no Twitter, no meu blog, no Tumblr, no subnick do MSN. Sou assim, rabujento mesmo. É porque, nesses casos, eu não tenho vontade de falar com a pessoa. Perda de tempo falar com gente que não vale a pena né? Não tenho paciência pra discutir, sinto que não leva a nada... Então, falo mal dela de maneira genérica. Mas não tenho a intenção de atingi-la. Aliás, eu tô cagando pra isso.

Indireta seria se eu escrevesse pra pessoa ler. O que caracteriza a indireta é justamente isso: a intenção de que a pessoa leia e saiba que foi pra ela. E eu não dou a mínima. Não quero saber se a pessoa vai ler, ou o que ela vai achar. Se eu quiser que a pessoa leia, vou me certificar de que o recado chegue até ela, não vou ficar atirando palavras ao vento.

Tem gente pretensiosa que pensa que eu tenho tempo de ficar o dia inteiro pensando em indiretas. Outro dia ouvi essa: “eu vi as indiretas que você me mandou a semana toda”. Oi? Como é? Olhe bem pra mim, olhe bem pra você. Eu não iria dedicar tanto tempo à sua pessoa. Eu gasto muito bem os meus 140 caracteres por tweet. Não iria desperdiçar isso mandando mensagens subliminares.

Eu reclamo sobre coisas variadas o tempo todo. Isso pode vir a atingir alguém, mas não é a minha intenção. Se eu tweeto sobre gente idiota e alguém se identifica, a culpa não é minha. Não venha querer achar que foi pra você, afinal, infelizmente você não é o único idiota do mundo.

Também tem outra coisa: não tente adivinhar sobre o que eu estou falando. Ninguém tem o direito de achar que eu estou tentando atingir alguém com as minhas palavras. Quanta pretensão. Quando eu tiver realmente a intenção de atingir alguém eu vou deixar bem claro, não precisa se preocupar.

Espero que muita coisa tenha ficado clara depois desse texto, mas temo que tenha sido em vão. Acho, inclusive, que tem gente que vai achar que esse post inteiro foi uma indireta. Aiai...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

TOP MENU BAR